Notícia

21 de Fevereiro de 2018
Tempo médio de desemprego já dura 1 ano e 2 meses, diz pesquisa

Estudo divulgado ontem (20) revela que o tempo médio de desemprego no Brasil já dura 1 ano e 2 meses. Em 2016, no último levantamento, o tempo médio girava em torno de 1 ano.

Atualmente, o Brasil conta com 12,3 milhões de desempregados, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A pesquisa “O desemprego e a busca por recolocação profissional no Brasil”, foi realizada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). 

Segundo o estudo, a maioria destes desempregados são do sexo feminino (59%). A idade média é de 34 anos; 54% têm até o ensino médio completo e a maioria (95%) pertencem às classes C/D/E.

Entre os que já tiveram 1 emprego antes, 34% atuavam no segmento de serviços, 33% no setor de comércio e 14% na indústria. A média de permanência no último emprego foi de aproximadamente 2 anos e 9 meses.

ELES PREFEREM GANHAR MENOS

Segundo a pesquisa, 61% dos desempregados estão dispostos a ganhar menos que no último emprego. No último levantamento, esse índice era de 68%.

DESEMPREGO NO BRASIL

Os dados mostram também que os desempregados estão divididos quanto o futuro do desemprego no Brasil em 2018: 31% acreditam que o desemprego irá aumentar, 31% que irá continuar igual e 24% que irá diminuir. Entre os entrevistados, 53% estão confiantes de que conseguirão 1 emprego nos próximos 3 meses.

No último emprego, 40% dos desempregados possuíam carteira assinada, 14% eram informais e 11% autônomos ou profissionais liberais. Já 8% dos desempregados estão em busca do 1º emprego.

De acordo com a pesquisa, entre aqueles que já tiveram algum emprego antes, 67% já haviam ficado desempregados anteriormente e 32% nunca haviam passado por esta situação. Em 56% dos casos, os entrevistados afirmam terem sido desligados da empresa. 17% dizem ter pedido demissão e 14% alegam terem feito acordos.

Dentre os que foram demitidos, a maioria alega causas externas, principalmente ligadas à crise econômica, como redução de custos por parte da empresa para lidar com os efeitos da crise (35%), redução da mão de obra ociosa (12%) e o fechamento da empresa (11%).

Levando em conta apenas os que pediram demissão, a principal razão apontada foi algum problema de saúde (15%), seguido da insatisfação com o salário (13%) e do desejo de poder dedicar mais tempo à família (11%).

Perguntados sobre o tipo de oportunidade que desejam, 46% preferem os postos com carteira assinada, enquanto 29% mencionam qualquer vaga, independente do formato.

As principais prioridades após conseguir 1 emprego serão voltar a consumir produtos que gosta como roupas, sapatos, eletrônicos (51%), retornar ao padrão de compra no supermercado que tinham antes (47%) e voltar a realizar atividades de lazer como saída a bares e restaurantes (46%).

METODOLOGIA

Para realizar a pesquisa, foram entrevistados pessoalmente 600 desempregados, nas 27 capitais brasileiras. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos. O índice de confiança é de 95%.

 

Com informações do SPC Brasil


Autor: Assessoria de Imprensa


WhatsApp

Outras Notícias